Boletim da BE

sexta-feira, 29 de julho de 2011

Clube de Leitura - "ARCÁDIA ARUCITANA"

5ª Sessão (01/06/11)

Apesar da 5ª sessão do clube ter sido há quase dois meses, não queremos ir de férias sem dar conta das leituras comentadas nesse dia.

Uma vez que no início de Junho, os alunos se encontravam a braços com fichas de avaliação e trabalhos de final de ano lectivo, a afluência ao clube foi menor, pelo que registamos as opiniões literárias de apenas dois membros do Arcádia Arucitana.

Assim, o Francisco, que não teve tempo para mais leituras do que aquelas estipuladas pelas diferentes disciplinas, remeteu-nos para um poema de Carlos de Oliveira lido na aula de Português.

SALMO
A vida é
é o bago de uva
macerado
nos lagares do mundo
e aqui se diz
para proveito dos que vivem
que a dor
é vã
e o vinho
breve.
Carlos de OliveiraCarlos de Oliveira

Por sua vez, o Manuel apresentou-nos O Professor de Quéops, de Albert Salvadd.

Trata-se de um romance onde há um mercador de escravos, uma princesa escrava e duas crianças com um destino promissor.

O Manuel recomenda o livro «porque apesar de ter algumas partes mais deprimentes tem boas descrições, por exemplo, os cenários de guerra, que nos transportam para lá.»



BOAS LEITURAS!!

segunda-feira, 4 de julho de 2011

TEMPO DE POESIA

No âmbito do estudo do texto poético, os alunos da turma C do 7º ano, na aula de Língua Portuguesa, deram asas à sua imaginação e criaram os seus próprios poemas.
Inspiraram-se, sobretudo, em Alexandre O´Neill e em Há palavras que nos beijam.





Há palavras que magoam



Há palavras que nos magoam
Como se tivessem mãos,
Palavras tristes, falsas
Que nos deixam cheios de desilusão

Há palavras de saudade
Que nos deixam esperança
E palavras de despedida
Que nos deixam amargura

Palavras interesseiras que magoam
Quando te mentem
Palavras de morte que enganam
Quando te desiludem!
Ana Soares


Há palavras que nos magoam
Como se tivessem mãos
Palavras feias, que destoam
De imensa desilusão.

Palavras tristes que vês passar
Quando te abandonam
Palavras que deixam saudades
Quando sentes que te enganam.

De repente, muito brilhantes
Entre versos sem amor
Queridas, desconcertantes
Como a tristeza e a dor.

Palavras que nos mudam
Onde o ódio é cada vez maior
À fala dos que choram
Onde a esperança é a pior!
Mariana Miguel



Há palavras que nos magoam
Como se tivessem punhais
Palavras de ódio e de tristeza
Que nos fazem chorar por demais

Palavras frias que odeias
Quando a noite fica quente
Palavras que se entristecem
Aos muros da tua felicidade

Palavras que nos levam
Aonde a tristeza é mais forte
Ao silêncio dos abandonados
Que escolhem vida ou morte!
Miguel Camacho



Há palavras que nos magoam
Como se matassem
Pessoas que choram, mas enganam
Que ficam como se não falassem.

Palavras bonitas me contaste
Mas de uma mentira não passaste
Na noite me enfeitiçaste
Como um horrível traste

Quando fugiste
Foste uma desilusão
Pois falhaste
Há saudade no meu coração!
Inês Frasquilho Coelho




A amizade numa vida


É como o desabrochar de uma flor
O germinar de uma semente
A descoberta do amor,
Uma música que contagia a gente!

Uma amizade bem vivida
Deixa a vida em festa
A natureza colorida, o amor
As montanhas e tudo que o nela resta.

Uma amizade de valor destrói qualquer tristeza,
Embala sonhos
Abre corações tristonhos e os enfeita
A amizade verdadeira, ninguém esquece
Dura a vida inteira e jamais envelhece!
Miguel Marques