Boletim da BE

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

AUTOR DO MÊS

LUÍS PIÇARRA


Luís Raul Janeiro Caeiro de Aguiar Barbosa Piçarra Valterazzo y Ribadanayra nasceu em Moura a 23 de junho de 1918 e faleceu em Lisboa a 23 de setembro de 1999.
Ficou conhecido principalmente por ter sido autor do hino do Sport Lisboa e Benfica.
Enquanto frequentava o 1º ano de Arquitetura da Escola de Belas Artes de Lisboa, já sentia uma forte atração pelo canto. Começou por ter aulas com o barítono D. Fernando de Almeida e, mais tarde, com a cantora lírica Hermínia de Alagarim, estreando-se em público, num concerto na Academia dos Amadores de Música, onde cantou uma seleção de árias do “Barbeiro de Sevilha”. Embora tenha frequentado ainda durante mais dois anos as Belas Artes, acaba por se dedicar inteiramente como profissional à sua vocação.
Começa assim uma carreira que o levou às sete partes do mundo, Brasil, Argentina, Egito, Líbano, Grécia, Itália, Espanha, Suíça, França, Moçambique, África do Sul, Angola…dando centenas de concertos, passando pelo teatro (ópera e, sobretudo, dezenas de operetas e revistas), pelo cinema (como entre outros o filme Pão Nosso de Armando de Miranda), em que interpretou pela primeira vez O meu Alentejo.
Em Portugal foi atuando ao longo de toda a sua carreira pela maior parte das salas de espectáculo do país.
Gravou, por esse mundo fora, várias centenas de discos, obras de vários géneros, como, Fiandeira, Granada, Amor é Lume, (da ópera Salúquia, de João Camilo) Santa Maria dos Mares, Colorado, Pourquoi me reveiller, L´Amour est si près de la peine, Copacabana, Questa o quella, Avril au Portugal (versão francesa de Coimbra de Raúl Ferrão), Una furtiva lacrima, Aguarela do Brasil e muitos mais, sem esquecer o Ser Benfiquista.
Em 1950, em Paris atua com Edit Piaff no show ”This is Europe” e em novembro de 1950, fixa-se em Paris, onde interpreta o principal papel na opereta Colorado no teatro municipal Gaitè Lyrique.
Viveu em Luanda, onde desempenha o papel de diretor do Centro de Preparação de Artistas da Rádio e foi professor de canto teatral na Academia de Música durante alguns anos. Em 1975 regressa a Portugal. Doente, acaba por perder a voz. Entretanto ainda publica um livro de memórias e escreve e compõe uma opereta, inspirada no Mário de Silva Gayo, que nunca chega a ser posta em cena.
Em 1985, recebe a Comenda da Ordem do Infante D. Henrique.
Faleceu em 1999, em Lisboa, de cancro.

http://elfado.x-centrico.com/?cat=133

Sem comentários :

Enviar um comentário