Boletim da BE

segunda-feira, 15 de junho de 2015

AMAR É CUIDAR

O abandono de animais em Portugal



        Em Portugal, todos os dias aumenta o abandono dos animais. Um ato que muitas pessoas acham normal, mas é quase ou tão cruel como abandonar uma criança. Felizmente, também, ainda há pessoas que não o fazem e têm os teus animais bem tratados.
    
    Normalmente, o que leva ao abandono dos animais é o facto de não se ter possibilidades de os manter ou muitas vezes querer um animal apenas por capricho, e com o passar do tempo  aborrecer-se dele. Outras vezes, porque a dona engravida e pensa que é prejudicial ao bebé. Também as férias levam ao abandono (ou por não os querer levar ou por não poder).

       Era bom que estas pessoas percebessem que há outras soluções sem ser o abandono dos animais, como por exemplo, deixá-los em centros próprios.

    O problema é que as pessoas têm mais tendência a procurar o caminho mais fácil, colocando-os em perigo. 


                                                                                      Inês Pica   9ºB , nº 15 

REFLETINDO, ESCREVENDO e ... PARTILHANDO

O mundo em que vivemos está repleto de defeitos e qualidades.

Somos bastante egoístas, invejosos e falsos uns com os outros. Há muito ódio nas nossas palavras e crueldade nas nossas ações. O racismo está cada vez mais presente nesta sociedade. A agressividade é comum naqueles que sofrem de bullying. Existem pessoas tão gananciosas que pisam tudo e todos para conseguir o que querem.
Mas a sociedade atual, tal como tudo na vida, também tem os seus aspetos positivos: a amizade verdadeira, a solidariedade e a capacidade de fazer a diferença no dia de alguém só com um simples sorriso. A sinceridade e a honestidade são das maiores qualidades do ser humano e é graças a elas que há cumplicidade entre os amigos. O altruísmo é raro de se encontrar mas é tão fácil dar ao outro… Um pequeno gesto de bondade é uma das coisas mais bonitas e emocionantes. A lealdade aos nossos princípios é uma das vantagens de que usufruiremos, se no mundo houver mais amor e paz e menos ódio e guerras.
Em suma, ninguém é perfeito mas quem realmente nos ama, aceita as nossas imperfeições e ajuda-nos a tornarmo-nos melhores e juntos construiremos um mundo melhor!


Junho de 2015


Joana Oliveira e Margarida Lopes, 7ºA